domingo, 9 de julho de 2017

Psicóloga explica como a violência psicológica contra a mulher é confundida com atitudes grosseiras.

Violência psicológica também é crime.
Imagem: Revista Bem Mais Mulher.
Um assunto muito debatido e recorrente no cotidiano de muitas mulheres é a violência doméstica. Agressões feitas pelo marido, namorado ou companheiro, passam algumas vezes despercebidas pela vítima que acha uma justificativa para tais atitudes dele. Geralmente, as mulheres só tomam como agressão, a lesão corporal. Porém, é importante salientar, que não é apenas uma agressão física que se configura violência. Atitudes de cunho psicológico podem causar danos irreparáveis na parceira.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a violência psicológica é toda ação ou omissão que causa ou visa causar dano à autoestima, à identidade ou ao desenvolvimento da pessoa. Incluindo, ameaças, humilhações, chantagens, cobranças de comportamento, discriminação, exploração, crítica pelo desempenho sexual, impedir que ela utilize seu próprio dinheiro, dentre outras situações.

A Psicóloga Dra. Fabiana Eufrosino, explica que a violência psicológica é o barulho silencioso que pode destruir o presente e o futuro de um ser humano, quando não é ressignificado na sua identidade emocional. “Dentre as diversas modalidades da violência (física, sexual, verbal, preconceituosa e bullyng, entre outras), a psicológica é a mais subjetiva, portanto a mais difícil de ser identificada e aceita” comenta.

Sua frequência tem crescido nos últimos anos, devido ao conjunto de fatores surgidos com a nova concepção de cultura emocional, acrescido dos motivos sócio-históricos já conhecidos. A consequência psicológica pode ser devastadora. “É necessário levar em consideração três pontos básicos: Frequência, intensidade e contexto. São fundamentais para dimensionar a dispersão do dano emocional”, explica.

Uma em cada três brasileiras sofreu algum tipo de agressão em 2016. O dado é da pesquisa “Visível e Invisível: A Vitimização de Mulheres no Brasil” realizada pelo Datafolha a pedido do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Ainda de acordo com a pesquisa, durante o ano passado, 503 mulheres maiores de 16 anos foram vítimas de agressões físicas por hora e 52% delas não denunciaram a violência sofrida.

Em Pernambuco, os números também foram alarmantes. 350 mulheres foram assassinadas no Estado em 2016.  Só no mês de janeiro de 2017 foram 33 vítimas de mortes violentas, contra 24 no mesmo período do ano passado. Em relação aos estupros, a Secretaria de Defesa Social registrou 148 casos em janeiro deste ano. Uma média de 5 por dia. Mas nada supera os números da violência doméstica: 2.743 denúncias em Janeiro. Quando se contabiliza todas as ocorrências de 2016, são 31.081 vítimas.

Denuncie: Ligue 180.
Imagem: Internet
“Os índices desta violência contra a mulher são maiores quando comparado à violência contra os homens, mas existem estudos que apontam seu crescimento. Uma das dificuldades de identificação da mesma é a aceitação da pessoa que está recebendo esta violência compreender que se trata de uma violência e não de questões relacionadas a temperamento ou “seu jeito de ser””, conta a psicóloga.

PERFIL

É necessário levar em consideração a frequência que a pessoa comete a agressão. Pode tratar-se de um ato de impulsividade em situações de estresse intenso, como em circunstâncias de vida ou morte, por exemplo, ou tratar-se de um modelo de comportamento que se repete como reação às ocasiões experimentadas.

“No segundo caso, é possível traçar um perfil psicológico. Normalmente pode estar associado a memórias negativas marcantes da figura feminina na vida do agressor. A raiva precisa ser liberada, porém de maneira inadequada, a mesma é libertada através da agressão psicológica, que pode progredir para a violência física”, explica.

Dentre algumas características de um agressor, pode-se notar: Egocentrismo: O agressor como centro 
de tudo. Todas as decisões desde as mais rotineiras, ele é o pivô. O que for melhor para ele. Assim, a companheira passa a orbitar em torno das necessidades do seu companheiro; Temperamento difícil: Acessos de raiva, ameaças, cara feia, brigas, etc. Responsabiliza o outro, não assume responsabilidades sobre o ocorrido. Violento e agressivo: Pode apresentar-se em um primeiro momento, sedutor. Após a conquista, aos poucos demonstra sua personalidade violenta e agressora.

Segundo Dra.Fabiana, é importante a compreensão de que possíveis promessas feitas após o ato de agressão e pedidos de perdão serão dissolvidas na memória do agressor em pouco tempo. A sua motivação não é o arrependimento, mas a necessidade de perpetuar a dependência da vítima nele, e se para isto é preciso “interpretar” arrependimento, ele o faz. Seus atos tendem a se potencializar com o tempo e não minimizar.

TRANSTORNO INTERMITENTE EXPLOSIVO

Este transtorno pode estar presente sem que a pessoa saiba que o porta. A American Psychiatric Association define o TEI em alguns critérios como explosões de raiva características, classificadas em “leves” ou “severas”. As explosões leves são ameaças, xingamentos, ofensas, gestos obscenos, ataque de objetos e agressões físicas sem lesão corporal. Elas precisam ocorrer com uma frequência média de duas vezes na semana por um período mínimo de três meses. Já as explosões mais severas, são destruição de propriedade/patrimônio e ataques físicos com lesão corporal e precisam acontecer ao menos três episódios dentro do período de um ano. A magnitude de agressividade expressa durante as explosões recorrentes é grosseiramente desproporcional em relação à provocação ou a quaisquer estressores psicossociais precipitantes. As explosões de agressividade recorrentes causam sofrimento acentuado ao indivíduo ou prejuízo no funcionamento profissional ou interpessoal ou estão associadas a consequências financeiras ou legais.

A idade cronológica é de pelo menos seis anos (ou nível de desenvolvimento equivalente).

Em um relacionamento amoroso, as características presentes são inconstância de comportamento, irritabilidade, situações básicas de estresse que geram atitudes desproporcionais com a circunstância em questão. É preciso observar a frequência, intensidade e contexto dos sintomas.

Outro problema que pode acometer as pessoas é a bipolaridade, caracterizada pela oscilação de fases maníacas e fases depressivas, em níveis diferenciados. O quanto mais cedo for diagnosticado, melhor para o paciente. Há possibilidade dos sintomas se intensificarem com o tempo, quando não cuidado. 
Saiba identificar o Transtorno Explosivo Intermitente (TEI)
Imagem: Diário da Região.

A base do tratamento é medicamentosa associada ao processo psicoterapêutico.
Quando a pessoa tem algum problema, trauma, durante a infância, pode ter reflexo na vida adulta. 

“Nossa vida adulta é um terreno de colheita da nossa infância e adolescência. Somos hoje o que foi semeado ontem em nós. Por isso, necessitamos tanto olhar para dentro de nós e nos conhecermos. A violência psicológica é um bom exemplo” comenta Dra. Fabiana.

PENA

A Lei 11.340 de 07 de agosto de 2006, Lei Maria da Penha, foi promulgada com o objetivo manifesto de “coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher” (art. 1º). Segundo o artigo 5º da Constituição Federal de 88, configura violência doméstica e familiar contra a mulher, qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe causa morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial.

“Quanto à pena aplicada ao agressor condenado, esta irá variar de acordo com as ações cometidas. Por exemplo, na dosimetria da pena, o Juiz irá aplicar uma pena mais grave ao crime de ameaça quando este for cometido contra a mulher no âmbito familiar ou doméstico ou dentro de uma relação íntima de afeto”, explica a advogada Dra. Dâmaris de Alencar, OAB/PE nº 44302.


A psicóloga Dra. Fabiana Eufrosino finaliza com um conselho “É necessário ressaltar que só possuímos uma chance de viver, mas podemos ter uma segunda chance no amor, quando há desvínculo da morte emocional”.


Por Anne Coifman

quarta-feira, 28 de junho de 2017

MICHEL TEMER E SEU EX-ASSESSOR, ROCHA LOURES, SÃO DENUNCIADOS POR CORRUPÇÃO PASSIVA


Pena pode chegar à 12 anos de prisão / Crédito: Veja.com
Na última segunda-feira (26), o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma denúncia de ordem criminal contra o Presidente da República Michel Temer (PMDB) e contra seu ex-assessor e ex-Deputado Federal, Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), ambos por corrupção passiva.
Segundo a denúncia, Michel Temer em conjunto com Rodrigo Rocha Loures, recebeu propinas do empresário Joesley Batista (JBS), no período de março de 2017 até abril do mesmo ano, com o objetivo de conferir vantagens na administração pública, como investimentos, por exemplo.
ENTENDA O CASO
“A denúncia descreve que o Presidente da República operava uma verdadeira organização criminosa dividida em núcleos, que são eles: Administrativo, político, financeiro e econômico. Os núcleos possuem atribuições bem discriminadas e diferentes entre si, por exemplo, cabe ao núcleo financeiro, o repasse dos valores obtidos por meio de propinas e o financiamento dos demais núcleos. Já o núcleo político, cabe indicar as principais pessoas para nomeação em órgãos públicos estratégicos para a obtenção de recursos (propinas) e trabalhar em favor de grupos econômicos de interesse dos outros núcleos, em especial dos financiadores. O outro “setor”  da organização criminosa é o núcleo administrativo que são aquelas pessoas indicadas pelo núcleo político e mantido pelo financeiro, cujo objetivo está na defesa dos interesses da organização criminosa”, explica o Advogado Criminalista, Dr. Rodrigo Lessa.
O Presidente Michel Temer poderá sofrer duas consequências no âmbito criminal, sendo a primeira, a condenação do pagamento de R$ 10 milhões de reais, enquanto o outro acusado, Rodrigo Rocha Loures, será condenado ao pagamento de R$ 2 Milhões de reais aos cofres públicos. A segunda consequência é a efetiva condenação criminal, cuja sanção penal tem mínimo de dois anos e máximo de doze anos de prisão.
PENA
 “Dependendo da pena aplicada, os condenados poderão ser presos nos regimes aberto, semiaberto ou fechado. Essa questão da prisão é polêmica, pois alguns juristas entendem que o Presidente da República não poderá ser preso em razão do cargo que exerce. Outros entendem que, tratando-se de um processo criminal, para apurar delito comum praticado pelo Presidente da República, havendo pena prevista em Lei, neste caso, o próprio Código Penal, é possível a decretação da prisão do condenado”, comenta Dr. Rodrigo.
Caso o Presidente Michel Temer seja condenado, sofrerá a perda do mandato eletivo, no qual ficará afastado do seu cargo. “Havendo a condenação, não se estará prendendo mais o Presidente da República, mas sim uma pessoa que não exerce qualquer função pública” explica.

PROCESSO CRIMINAL
Segundo o advogado criminalista, Rodrigo Lessa, o processo criminal apresentado pelo Procurador Geral da República seguirá um rito diferente do processo de impedimento proposto contra a Ex- Presidenta Dilma Rousseff. A primeira diferença é relacionada à quem apresentou a denúncia, que no caso de Dilma Rousseff, foi apresentada por uma pessoa sem qualquer ligação com um Ente da Administração Pública, uma cidadã. Já com relação à denúncia contra o Presidente Michael Temer, deu-se por parte do Procurador Geral da República.
“A segunda diferença é com relação ao objeto criminoso, no que tange à Ex-Presidenta Dilma Rousseff, tratou-se de suposto crime de responsabilidade, elencado no art. 4º da Lei nº 1.079/50. Diferentemente de agora, em que o fundamento da denúncia está baseado no Código Penal, sendo considerado crime comum. É interessante observar que, segundo o art.86, §4º da Constituição Federal, o Presidente da República não pode ser responsabilizado por atos estranhos às suas funções, exemplo, caso o Presidente da República vá ao shopping e furte um objeto, naquele momento, não será responsabilizado, será após o término do seu mandato”, comenta.
Segundo a denúncia do Procurador-Geral da República, o crime praticado pelo Presidente da República deu-se em razão do cargo e com influência da condição de chefe do Poder Executivo Federal.
 “Por esta diferença de tipo penal, o processo possui caminho distinto em certo momento, observando a orientação do art. 86 da Constituição Federal e dos arts. 4º e 5º da Lei nº 8.083/90”, finaliza Dr. Rodrigo Lessa.



Por Anne Coifman

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

AVC: Quanto mais rápido o atendimento mais chance de reverter.

Como ocorre o AVC
Imagem: internet
O Acidente Vascular Cerebral (AVC) acontece quando o fluxo de sangue para uma parte do cérebro é impedido por duas condições: Ou uma obstrução, isto é, o AVC Isquêmico ou uma hemorragia, isto é um AVC Hemorrágico. Quando o fluxo sanguíneo é interrompido, o cérebro não recebe o oxigênio necessário e as células param e morrem. As células mortas do cérebro não se recuperam.
Como o cérebro controla tudo o que fazemos, sentimos, pensamos, lembramos, ao sofrer algum dano pelo AVC, tem essas capacidades afetadas na área onde ocorreu a hemorragia ou obstrução.

As pessoas mais vulneráveis a um AVC são, por exemplo, os idosos e pessoas com problemas de saúde como pressão arterial alta (hipertensão) e diabetes. Fatores de estilo de vida como dieta, tabagismo, bebidas alcoolicas e atividades físicas podem alterar o risco da pessoa. 

TIPOS DE AVC



Existem dois tipos de Acidente Vascular Cerebral. O mais comum é o isquêmico, que acontece quando um coágulo bloqueia a artéria que leva o sangue para o cérebro e pode ser provocado por uma trombose cerebral, quando um coágulo de sangue se forma em uma artéria principal em direção ao cérebro. Também pode ocorrer a embolia cerebral que é caracterizada quando o bloqueio causado pelo coágulo, se forma em um vaso sanguíneo em alguma parte do corpo e é levado na corrente sanguínea para o cérebro.


Já o segundo tipo, é quando acontece um bloqueio nos pequenos vasos sanguíneos da parte mais profunda do cérebro. É o AVC hemorrágico, que consiste em um derrame, quando um vaso sanguíneo estoura, causando uma hemorragia no cérebro (derrame). Pode ser provocado por uma hemorragia intra-cerebral, quando um vaso sanguíneo estoura dentro do cérebro; Ou quando um vaso sanguíneo na superfície do cérebro sangra para a área entre o cérebro e o crânio.


SINTOMAS

É preciso ficar atento aos primeiros sinais que aparecem quando uma pessoa sofre um AVC e saber identificá-los. Repentinos, os sintomas incluem dormência, fraqueza ou paralisia de um lado do corpo (podendo ser um braço, perna, ou parte inferior da pálpebra descaídos, ou a boca torta e salivante), fala arrastada ou dificuldade em encontrar palavras ou discurso compreensível, visão subitamente enublada ou perda de visão, confusão ou instabilidade, forte dor de cabeça. Para ajudar a esclarecer o que está acontecendo, pode-se fazer um teste simples com o paciente: Peça para a pessoa sorrir. Tem sua boca ou um olho caído? A pessoa consegue levantar os braços? A pessoa consegue falar com clareza e entender o que lhe dizem?

Se todos estes sinais desapareceram depois de apenas alguns minutos ou algumas horas, é porque um Ataque Isquémico Transitório (AIT) pode ter ocorrido. O AIT, também conhecido como um mini-AVC, deve ser tratado como uma emergência, porque é necessário uma avaliação médica urgente.

ATENÇÃO

O paciente precisa ser levado para atendimento médico urgente. O tempo no atendimento quando ocorre o AVC é imprescindível. Quanto mais rápido for, mais chance o paciente tem de reverter o quadro.

Emergência: 192 SAMU / 193 Corpo de Bombeiros.


Anne Coifman

Ministro Luiz Edson Fachin é nomeado novo relator da Operação Lava Jato no STF

Ministro Luiz Edson Fachin é o novo relator da
Operação Lava Jato no STF.
Imagem: Internet
O ministro Luiz Edson Fachin será o novo relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). A definição ocorreu nesta manhã de quinta-feira, por meio de um sorteio eletrônico do qual participaram cinco, dos dez ministros atuais. Fachin substituirá a tarefa do ministro Teori Zavascki, falecido em um acidente de avião no início deste ano em Paraty (Rio de Janeiro). Sua função será a de avaliar todas as demandas jurídicas da operação que chegam ao colegiado, incluindo o pedido de mandados de busca e apreensão e de prisão contra políticos com foro privilegiado, como parlamentares, ministros e Presidente da República. Ele é visto como um nome mais técnico e menos político.

O novo ministro assume uma investigação de mais de dois anos, que se encontra em seu momento mais importante até agora.  A escolha do novo nome ocorreu por sorteio eletrônico depois de a ministra Carmén Lúcia, presidente do STF, decidir que participariam da disputa os ministros que fazem parte da Segunda Turma da Corte, que era a integrada por Zavascki. O STF é composto de duas turmas, que são como pequenos colegiados formados para julgar demandas que não exigem a participação de todo o Plenário. Havia um entendimento de que, por regimento, ela também poderia permitir que o sorteio fosse feito entre todos os ministros do Plenário aptos, que seriam nove, do total de 11, já que o lugar de Zavascki ainda não foi ocupado e Carmén Lúcia não pode participar por ser presidenta da Corte.

O sorteio estava previsto para ocorrer na quarta-feira, na volta do recesso do Judiciário. Mas o ministro  Fachin protocolou, ainda pela manhã, um pedido para mudar da Primeira para a Segunda Turma e, assim, ocupar no colegiado o lugar vago de Zavascki. Para migrar de uma turma para outra, quando uma vaga é aberta, é preciso seguir uma ordem de prioridade: os ministros mais antigos podem escolher primeiro. Fachin foi o último ministro a chegar na Corte e, por isso, Cármen Lúcia teve de consultar individualmente os demais ministros da Primeira turma, todos mais antigos, para saber se algum deles tinha interesse. Isso adiou o sorteio em um dia.

Lula autoriza procedimento de doação de órgão de sua esposa, Marisa Letícia, após morte cerebral

Ex-primeira-dama teve morte cerebral constatada.
Imagem: Internet
A ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva teve uma piora no seu quadro clínico no início da noite desta quarta-feira (1º) e voltou a ser sedada, segundo informou o médico Roberto Kalil Filho, chefe da equipe do Hospital Sírio-Libanês que cuida da paciente. O sedativo tinha sido retirado na terça-feira (31).

No final da noite, um exame realizado chamado doppler constatou que Dona Marisa tem circulação mínima de sangue no cérebro. Os médicos seguiram monitorando as atividades cerebrais da paciente e fizeram uma nova avaliação onde constataram ausência de fluxo sanguíneo no cérebro.

MORTE CEREBRAL

Dona Marisa Letícia teve morte cerebral nesta quinta-feira (2) em razão de complicações causadas por um AVC (Acidente Vascular Cerebral) hemorrágico. Lula e sua família autorizaram o procedimento de doação de órgãos após constatação de "ausência de fluxo cerebral".

Ela chegou a apresentar uma ligeira melhora na terça-feira (31), e a sedação começou a ser reduzida. Como ela não reagiu bem, voltou a ser sedada.

No dia anterior, os médicos haviam informado, em boletim médico, que a ex-primeira dama tinha tido "trombose venosa profunda" detectada nos membros inferiores. A equipe utilizou um filtro de veia cava para impedir que coágulos se deslocassem para outras regiões do corpo.

Além do filho de seu primeiro casamento, Marcos Cláudio Lula da Silva, adotado por Lula, Marisa deixa os filhos Fábio Luís Lula da Silva, Sandro Luís, Luís Cláudio, a enteada Lurian (filha do ex-presidente com uma ex-namorada), e o marido, Luiz Inácio Lula da Silva. Os dois foram casados por 43 anos.

domingo, 29 de janeiro de 2017

Morre Russo, ex-assistente de palco, aos 85 anos

Ex- Assistente de Palco, Russo, morre aos 85 anos
Imagem: Internet
Antônio Pedro de Souza, o Russo, morreu aos 85 anos na manhã de ontem (28), em Duque de Caxias. Ele estava internado há uma semana no hospital Mario Lioni, na Baixada Fluminense. A neta de Russo Bruna Bergamini contou que ele faleceu após uma embolia pulmonar.

Russo foi assistente de palco da TV Globo por mais de 40 anos e ficou conhecido por ter sido ajudante de apresentadores como Xuxa, Chacrinha, Faustão e Angélica.

O Hospital de Clínicas Mário Lioni informou que Antônio Pedro da Silva Souza (Russo) faleceu na manhã deste sábado devido a complicações decorrentes de infecção pulmonar. O velório será realizado hoje(29), a partir de 9h, com sepultamento às 11h45, ambos no Cemitério de Xerém, em Duque de Caxias.

Russo sofria de Mal de Alzheimer e, nos últimos anos, necessitava de cuidados. O ex-assistente de palco estava separado da mulher, Adriana Mello, há dois anos, e estava morando com sua filha Fernanda.

Nos últimos dias, Russo recebeu a visita da família no hospital em que estava internado e falou sobre o desejo de deixar logo o local.



Com informações do G1.com

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Ex-Primeira-Dama Marisa Letícia sofre AVC e é internada às pressas

Marisa Letícia
Imagem: Veja.com
A ex-primeira-dama,  Marisa Letícia, esposa do ex-Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico, na tarde de ontem (24), e foi internada no Hospital Sírio-Libanês, localizado no Centro de São Paulo.  Segundo o hospital, ela foi levada à sala de emergências da unidade, onde passou por um procedimento de cateterismo.

De acordo com informações de pessoas próximas à Lula, Marisa reclamava há um tempo de picos de pressão alta. Por volta das 15h15, quando estava em sua casa em São Bernardo do Campo, ela sofreu um sangramento cerebral. Inicialmente, foi levada de ambulância para um pronto-socorro da cidade do Grande ABC, mas, devido à gravidade, foi transferida para o Hospital Sírio-Libanês.

Segundo o cardiologista Roberto Kalil Filho, que cuida da família Lula, afirmou que os médicos estão tentando estancar o sangue da veia que estourou no cérebro de Marisa em decorrência de um aneurisma (dilatação anormal de um vaso sanguíneo). O ex-presidente Lula, que estava um evento da Central Única dos Trabalhadores (CUT), foi à unidade de saúde acompanhar a esposa.